segunda-feira, 17 de dezembro de 2007

Marina Melander, uma vida em prol da Educação - Segunda parte

Profa. Marina Melander Coutinho
Jornal "Gazeta de Interlagos" - 14/12/2007 a 20/12/2007


Biografia - Segunda parte





Marina Melander, uma vida em prol da Educação


Eduardo Melander Filho




Em 01/02/96, foi transferida para E. E. Professora Beatriz Lopes de acordo com a reorganização das Escolas Estaduais. Lá exerceu, a partir de 24/06/1996, a função de Coordenador Pedagógico, até a data de seu afastamento por motivo de doença.
Seu ingresso na rede pública municipal foi em 10/02/1992, quando foi nomeada Professora Titular de Ensino Fundamental II, conseguida através de aprovação em concurso público. Assumiu sua titulariedade na E. M. P. G. Dr. Manoel de Abreu. Em 01/02/1996, transferiu-se para a E. M. P. G. Paulo Setúbal (25), onde permaneceu até seu afastamento involuntário. Participou também de muitos eventos e cursos.
Casou-se com Gessé Carvalho de Coutinho em 22 de setembro de 1979. Sua única filha, Tathyana Melander Coutinho, nasceu em 06 de fevereiro de 1984.
A professora Marina Melander Coutinho era possuidora de grande erudição. Conhecedora profunda de lingüística e de filologia compreendia como ninguém nossa língua e nossa ortografia. Mas sua menina dos olhos era a literatura. Possuía uma biblioteca com muitas centenas de livros, uma verdadeira coleção antológica da literatura em língua portuguesa e universal, além de também antológicas obras da filosofia.
Profissional responsável que era, manejava com maestria os recursos do idioma. Mestra competente, dominava não só sua área de conhecimento, mas conhecedora que era também de outras disciplinas, transitava facilmente nos temas interdisciplinares. Seu currículo acumulado demonstra claramente sua intenção do aprender permanente.
Professora por vocação, optou preferencialmente pelo exercício do magistério na escola pública e na periferia da cidade, pois sempre estudou em escolas públicas e localizadas na periferia. Tinha uma relação maternal com os alunos, porém sempre mantendo o princípio da autoridade não autoritária. Sua casa era uma extensão da escola.
Cidadã acima de tudo, transmitia aos seus alunos, com didática e exemplo pessoal, o exercício da cidadania. Trabalhava na formulação de uma consciência crítica. Protestos, sem terras, miséria, violência urbana, destruição do meio ambiente, dívida externa, criminalidade, discriminação, corrupção, movimento operário e outros afins, eram temas preferenciais onde se mesclavam literatura e discussão social.
Educadora que era, referenciava-se em Paulo Freire. Sua inspiração era o livro “Pedagogia do Oprimido”. Utilizava em aula textos de Frei Beto, Leonardo Boff e outros mais do mesmo quilate. Compreendia que a educação é uma forma de intervenção no mundo.
Marina foi uma professora competente, educadora consciente, colega afável, amiga leal, filha dedicada, tia carinhosa, irmã solidária, esposa compreensiva e mãe cuidadosa. Generosa é a palavra mais completa.
A professora Marina Melander Coutinho faleceu no dia 20 de abril de 2001. Em vida, ela fazia constantemente a pé o percurso de três quilômetros que separam a E. E. Profa. Beatriz Lopes da E. M. E. F. Paulo Setúbal. É uma agradável ironia que uma escola localizada nesse mesmo caminho tenha recebido o seu nome.
As últimas palavras que escreveu numa dedicatória no livro “Era dos Extremos” de Eric Hobsbawm, dizia: “Ao meu irmão não posso escrever, mas deixar pensamentos; esses ninguém pode apagar”. Essa frase define o caráter de Marina.






Fontes:


-MELANDER FILHO, Eduardo. Marina Melander, uma vida em prol da Educação. Jornal Gazeta de Interlagos, São Paulo, 06 dez 2007 a 13 dez 2007. Biografia-primeira parte, página 2.

-MELANDER FILHO, Eduardo. Marina Melander, uma vida em prol da Educação. Jornal Gazeta de Interlagos, São Paulo, 06 dez 2007 a 13 dez 2007. Disponível em: < http://www.gazetadeinterlagos.com.br/opiniaodoleitor.html>. Acesso em: 08 dez 2007.


-MELANDER FILHO, Eduardo. Marina Melander, uma vida em prol da Educação. Jornal Gazeta de Interlagos, São Paulo, 14 dez 2007 a 20 dez 2007. Biografia-segunda parte, página 2.


-MELANDER FILHO, Eduardo. Marina Melander, uma vida em prol da Educação. Jornal Gazeta de Interlagos, São Paulo, 14 dez 2007 a 20 dez 2007. Disponível em: <http://www.gazetadeinterlagos.com.br/opiniaodoleitor.html>. Acesso em: 17 dez 2007.






Este texto é a segunda parte da versão reduzida da "Biografia da Profa. Marina Melander Coutinho. Para acessar a primeira parte, entre em: http://edmelander.blogspot.com/2007/12/marina-melander-uma-vida-em-prol-da.html




2 comentários:

Rubens disse...

Oi Melander,

Pelo que li vejo que a erudição é um traço familiar e muito mais, posto que o conhecimento de ambos buscam um mundo melhor para se viver. Certamente, o santíssimo a tem ao seu lado. Feliz natal, ano novo com paz e fartura Rubens Luna.

Maria José disse...

Li e achei fantástica a vida da Marina, cuidadosamente biografada pelo irmão, que demonstrou fazer jus ao mesmo sobrenome.
Percebi ter sido ela, uma verdadeira mestra na Arte de Educar. Tornei-me sua admiradora não somente por suas contribuições na área educacional, mas também pela arte de ser "amiga leal, filha dedicada, irmã solidária, esposa compreensiva e mãe cuidadosa”, como tão bem nos mostrou seu irmão. Lamento que pessoas como a Marina tenham uma passagem tão efêmera aqui na terra, privando tão precocemente, a todos que tiveram a chance privilegiada do convívio com quem tanto teve a oferecer.
Se os profissionais da educação tivessem a oportunidade de conhecer e seguir a trajetória da Marina, tenho absoluta convicção de que seria possível mudar a realidade de nosso país e o Brasil estaria realmente apto a oferecer educação de qualidade para todos. Portanto, a você Marina, que tanto contribuiu e se preocupou em trabalhar em prol de um ensino de qualidade para a população brasileira, o meu muito obrigada!